segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

TÃO RÁPIDO


do amigo Júlio Ribeiro

Tudo foi tão rápido, que ainda resta na boca a palavra não dita,
o beijo de ontem, o gosto de instantes.

Repousa sobre a mesa um poema inacabado,
e um pouco de vinho da última inverna.

O que fazer das brasas que ainda queimam?
E dos relógios que teimam em dizer que a vida segue?

O que fazer dos livros não lidos, e dos segredos retidos
em cartas não enviadas?

Tudo foi tão rápido que o vento ainda sacode as cortinas,
e faz ranger a porta mal fechada.

A casa recende à café passado,
e o cão ainda espera o passeio...

Nenhum comentário:

Postar um comentário